sábado, 22 de novembro de 2014

Cristo, Rei do Universo

Cristo, Rei do Universo

35 O povo estava a observar. Os príncipes dos sacerdotes com o povo O escarneciam dizendo: "Salvou os outros, salve-Se a Si mesmo, se é o Cristo, o escolhido de Deus!" 36 Também o insultavam os soldados que, aproximando-se dele e oferecendo-lhe vinagre, 37 diziam: "Se és o Rei dos judeus, salva-Te a Ti mesmo!" 38 Estava também por cima de sua cabeça uma inscrição: "Este é o Rei dos judeus". 39 Um daqueles ladrões que estavam suspensos da cruz, blasfemava contra ele, dizendo: "Se és o Cristo, salva-Te a Ti mesmo e a nós" 40 O outro, porém, tomando a palavra, repreendia-o dizendo: "Nem tu temes a Deus, estando no mesmo suplício? 41 Quanto a nós se fez justiça, porque recebemos o castigo que mereciam nossas ações, mas Este não fez nenhum mal." 42 E dizia a Jesus: "Senhor, lembra-Te de mim, quando entrares no teu Reino!" 43 Jesus disse-lhe: "Em verdade te digo: Hoje estarás comigo no Paraíso." (Lc 23, 35-43).
Por direito de herança e de conquista, Cristo reina com autoridade absoluta sobre todas as criaturas. Entretanto, não governa segundo os métodos do mundo.

Mons. João Clá Dias, EP
I - REI NO TEMPO E NA ETERNIDADE
Ao ouvirmos este Evangelho da Paixão, de imediato surge em nosso interior uma certa perplexidade: por que a Liturgia, para celebrar uma festa tão grandiosa como a de Cristo Rei, terá escolhido um texto todo ele feito de humilhação, blasfêmia e dor?
Tanto mais que, em extremo contraste com esse trecho de São Lucas, a segunda leitura de hoje nos apresenta Jesus Cristo como sendo "a imagem do Deus invisível, o Primogênito de toda a criação (...) porque foi do agrado do Pai que residisse n'Ele toda a plenitude" (Col 1, 15 e 19). Como conciliar esses dois textos, à primeira vista, tão contraditórios?
Para melhor compreendermos esse paradoxo, devemos distinguir entre o Reinado de Cristo nesta terra e o exercido por Ele na eternidade. No Céu, seu reino é de glória e soberania. Aqui, no tempo, ele é misterioso, humilde e pouco aparente, pelo fato de Jesus não querer fazer uso ostensivo do poder absoluto que tem sobre todas as coisas: "Foi-me dado todo o poder no Céu e na terra" (Mt 28, 18).
Apesar de as exterioridades nos causarem uma impressão enganosa, Ele é o Senhor Supremo dos mares e dos desertos, das plantas, dos animais, dos homens, dos anjos, de todos os seres criados e até dos criáveis. Porém, diante de Pilatos, assevera: "O meu Reino não é deste mundo" (Jo 18, 36), porque não quer manifestar seu império em todas as suas proporções, a não ser por ocasião do Juízo Final.
Assim, enquanto o Evangelho nos fala de seu Reinado terreno, a Epístola proclama o triunfo de sua glória eterna. No tempo, vemo-Lo exangue, pregado na Cruz entre dois ladrões, sendo escarnecido pelos príncipes dos sacerdotes e pelo povo, insultado pelos soldados e objeto das blasfêmias do mau ladrão. A Liturgia exige de nós um esforço de fé para, indo além do fracasso e da humilhação, crermos na grandiosidade do Reino de Jesus.
Por outro lado, errôneo seria imaginar que Ele não deve reinar aqui na terra. Para comp reender bem o quanto Cristo é Rei, é preciso diferenciar seu modo de governar daquele empregado pelo mundo.
O governo humano, quando ateu, encontra sua força nas armas, no dinheiro e nos homens. Tem por finalidade as grandes conquistas territoriais, perdurar longamente e alcançar a felicidade terrena. Porém, o tempo sempre demonstra o quanto esses objetivos são ilusórios e até mentirosos. As armas em certo momento caem ao solo, ou se voltam contra o próprio governante; o dinheiro é por vezes um bom vassalo mas sempre um mau senhor; os homens, quando não assistidos pela graça, neles não se pode confiar.

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Encerramento dos Cursos Parte II

Como prêmio pelo sucesso da conclusão dos Cursos de Fantoches e Terços, os grupos Nossa Senhora de Fátima e Maria Menina realizaram um passeio até Joinville, SC, onde tiveram a oportunidade de conhecer a casa dos Arautos e assistir a uma missa com o Pe. Mário Sérgio.





Após isso, foram ao Morro da Boa Vista, fizeram uma escalada e passearam pelo Zoobotânico.








Ao passar pelo parquinho, não conseguiram resistir.









Posteriormente, dirigiram-se até ao Museu Nacional de Imigração e Colonização de Joinville - a antiga "Maison de Joinville", um casarão colonial destinado para casa de administração da Colônia Dona Francisca.






terça-feira, 18 de novembro de 2014

Encerramento dos Cursos - Parte I

Após árduos trabalhos na elaboração de belos terços e na criação de várias personagens, em papel, da história do Gato de Botas, chegou finalmente o dia em que as participantes do Projeto Futuro e Vida – Grupo Nossa Senhora de Fátima e Maria Menina – apresentaram os frutos dos seus terços e um teatro de fantoches para seus pais.

O encontro foi marcado para um sábado à tarde a fim de que, no final da encenação, todos pudessem degustar a tradicional pizza dos Arautos.

Era notável a alegria nos lábios das mães e dos pais ao verem o pequeno Gato de Botas, saltitando e fazendo as suas artimanhas para que o seu dono se tornasse o Marques de Carabás. Mas esta não se comparava com a das “atrizes” escondidas atrás do pano como podem ver pelas fotos.


terça-feira, 4 de novembro de 2014

Dia dos Professores - Arautos Curitiba


No dia 15 de outubro, dia dos Professores, as alunas da Escola Arautos do Evangelho prepararam uma apresentação musical instrumental e canções sacras e tradicionais.
A música que mais encantou a professora Heloísa foi a “Sabes quantas estrelinhas”, que discorre a respeito de toda a criação de Deus. Já para o Professor de Geografia, Leandro, a que ele sempre gosta mais é a do “O pequeno navio”, popular francesa, que conta a história de um navio que navegava pela primeira vez e ao fim de cinco ou seis semanas acabaram os víveres, e seria preciso tirar à sorte para escolher alguém que serviria de alimento aos outros. O azar caiu sobre o mais jovem que apavorado fez uma oração para Nossa Senhora a fim de impedir que o comessem. Oh, surpresa! Muitos peixes apareceram pulando para dentro do navio.
Após a apresentação musical, todos se dirigiram para o jantar – a já tradicional pizza – durante o qual alunos, professores e arautos puderam conversar animadamente sobre temas variados. A refeição terminou com a entrega das lembranças dos professores: um belo oratório de Nossa Senhora de Fátima para auxiliá-los nas horas de mais necessidade, e para a nossa queridíssima Professora Heloísa o Sagrado Coração de Jesus para sempre inspirá-la no seu trabalho.


terça-feira, 28 de outubro de 2014

Buraco do Padre

Aproveitando o dia dos professores e o dia ensolarado, as estudantes e Arautos decidiram fazer um passeio até Ponta Grossa- PR para visitar o Buraco do Padre e a Cachoeira da Mariquinha.
Após atravessarem uma trilha, encontraram a bela gruta que outrora era utilizada pelos monges sacerdotes para fazerem as suas orações, e que hoje dão o seu nome à caverna. Chegando ao local, puderam desfrutar das aves que cruzavam o lugar, os caranguejos que por lá nadavam, e o a estrondosa cachoeira que fez a alegria das crianças e dos mais graúdos. Depois rumaram até ao outro destino onde encontraram um simpático rebanho de ovelhas, que contava em sua família com algumas integrantes mais jovens. Após isso, retornaram por uma outra trilha, e ao se depararem com as águas não resistiram a fazer mais brincadeiras aquáticas. 

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Viva Nossa Senhora Aparecida!

“Viva Nossa Senhora Aparecida!”, “Viva”, esse foi o brado respondido três vezes pelos grupos das crianças, das mães e dos pais ao terminar o terço processional em louvor à Padroeira do Brasil.
Como havia sido anunciado, o programa na chácara  começou com a Santa Missa, seguida da feijoada, terço, gincana de jogos para as crianças – com muita água durante a tarde quente – e uma reunião sobre o Rosário com a encenação teatral da história adaptada de São Luís de Montfort sobre Afonso IX, rei de León, a quem Nossa Senhora protegeu particularmente, pelo simples fato de portar o Rosário à cintura.