quinta-feira, 10 de abril de 2014

ATIVIDADES TAMBÉM EM PONTA GROSSA

No dia 6 de abril, domingo, as Arautos se dirigiram até Ponta Grossa para realizar atividades com as jovens de lá. O programa iniciou com a missa presidida pelo Revmo. Pe. Paulo Sérgio,EP, que na sua homilia sublinhou com histórias e fatos as diversas provações e dificuldades que o homem tem ao longo da vida, e que são uma marca de amor que fica para o resto da vida.
Após a Santa Missa, realizaram-se animados jogos, seguido de uma reunião-teatro sobre a devoção a Nossa Senhora: história da Camponesa cega de um olho. (clique aqui para ler a história)

Como as Arautos perceberam que o povo de Ponta Grossa gostava muito de cantar, ensinaram-lhe músicas tradicionais francesas e orientais. Não faltou o lanche onde todos se puderam conhecer melhor; pais, filhas, terciários e arautos.


A camponesa cega de um olho

Numa pequena casa construída à beira da floresta, uma piedosa camponesa conhecida por sua ardente devoção à Santíssima Virgem.
Durante anos empenhou-se em mais amá-La e melhor conhecê-La. Para isso, rezava muito e lia tudo o que a respeito d’Ela haviam escrito os Santos. E quanto mais rezava, mais lhe crescia a devoção, e quanto mais lia, mais lhe aumentava a sede de conhecer. Um dia, ficou profundamente impressionada ao ler no Novo Testamento esta passagem de São Paulo: “Coisas que os olhos não viram, nem os ouvidos ouviram, nem o coração humano imaginou, tais são os bens que Deus tem preparado para aqueles que o amam” (1 Cor 2, 9). Após muito considerar, chegou à seguinte conclusão: “Sim, nada do que se escreve sobre a Virgem é suficiente. Oh, se eu pudesse vê-La com meus próprios olhos!”
E desde então essa idéia não mais lhe saiu da mente. Com esse anseio ela despertava e adormecia. E mesmo durante os trabalhos, por vezes um suspiro lhe saía dos lábios: “Se ao menos pudesse vê-La uma vez!” Já não tinha outra intenção em suas infindáveis orações, e tanto golpeou as portas celestes que elas por fim se abriram...
Uma noite, o humilde quarto da ardorosa camponesa enche-se de intensa luz. Acordando sobressaltada, ela vê diante de si uma figura angélica que lhe diz:
— Sou teu Anjo da Guarda! A Rainha do Céu ouviu tuas insistentes orações e deseja atender-te. Contudo, para teres o imerecido dom de, ainda em vida, contemplá-La face a face, é necessário que ofereças um duro sacrifício: o de perder tua vista direita. Estás disposta a fazê-lo?
Só isso?! — pensa a camponesa. E logo responde:
— Mas claro! Aceito com alegria!
O anjo então inclina-se, abre os braços e milagrosamente desaparecem as paredes da casa, a luz redobra de intensidade, um inefável perfume impregna o ar e uma maravilhosa música se faz ouvir...
Oh! maravilha! Precedida por uma coorte de anjos, surge a Mãe de Deus. Com maternal bondade, Ela olha para a camponesa e... sorri! O mais belo de todos os sorrisos que já houve e haverá... A afortunada camponesa está fora de si de alegria. Passado um breve instante, a fulgurante luz começa a diminuir, a visão lentamente se desvanece e a camponesa fica sozinha na escuridão da noite.
Tanta era sua felicidade que essa noite não dormiu. Jamais algo ficara tão bem gravado em sua memória. E só quando os primeiros raios da madrugada entraram por sua janela percebeu que já não enxergava do olho direito.
Todos se compadeceram do infortúnio daquela jovem que se deitara sã e inexplicavelmente despertara cega de um olho. E admiravam-se de não vê-la triste, mas, pelo contrário, mais contente do que nunca. A camponesa a ninguém revelou o que se passara naquela noite.
Transcorreram assim os dias e os meses. Sempre feliz, a camponesa vivia da lembrança daquele inesquecível momento em que, diante de seus olhos, o céu baixara à terra. Aprendeu a suportar o incômodo de ter só uma vista, e quando sofria algum tropeço ou acidente por causa de sua limitada visão, logo pensava: “Sim, valeu a pena! Isso não é nada em comparação com aquele inefável sorriso!”
Entretanto, com o passar dos anos sua alegria foi aos poucos se misturando com certa dor. A camponesa sentia saudades daquele olhar indescritível. Qualquer maravilha que encantava as suas amigas para ela parecia sem expressão. As belas cores do pôr-do-sol, a matizada luz dos vitrais, nada eram em comparação com a celestial face da Virgem Maria. E todas as flores que cobriam os montes na primavera nem de longe tinham o perfume que invadira sua cela naquela bendita noite.
Em seu coração renasceu o antigo desejo: “Se eu pudesse vê-La novamente!...” E pôs-se a rezar com redobrada insistência, pedindo que mais uma vez lhe fosse concedida a incomparável graça.
E eis que, do mesmo modo como havia se passado anos antes, seu quarto foi invadido pela sobrenatural luz que prenunciava a aparição do anjo.
— Aqui me tens de volta! Se queres mesmo ver de novo a Virgem Santíssima, sabe que isso irá custar-te outro sacrifício, maior do que o primeiro: estás disposta a oferecer a vista que te resta?
Em um momento, a camponesa lembrou-se de todas as agruras e dificuldades que lhe ocasionou a falta de um olho. Agora, ficar completamente cega! No entanto, seu amor foi mais forte, e com vigor respondeu:
— Sim, aceito! Ver Nossa Senhora mais uma vez, ainda que seja por poucos segundos, bem vale a dor de ficar cega o resto da vida!
E tal como se passara na vez anterior, pôde ela contemplar por alguns instantes o celeste rosto da Mãe de Deus. Que alegria, que felicidade!
Sozinha na escuridão de seu quarto, demorou-se largo tempo deleitando-se com a lembrança do que acabara de ver, e só no meio da madrugada lembrou-se: “Agora devo preparar-me para levar a vida de cega”. E num misto de alegria e resignação, fixando na memória o gáudio passado e prevendo a dor futura, adormeceu.
Na manhã seguite, levantou-se com rapidez, e qual não foi sua surpresa ao se dar conta de que continuava a ver! E mais, com os dois olhos! Abriu a janela, e com satisfação viu os campos verdejantes, o azul do céu e as flores do jardim. A vista que perdera anteriormente lhe havia sido restituída!... Chorando de alegria e gratidão, correu à igreja para dar graças.

O demônio, pai da mentira, nunca dá o que promete. Deus, pelo contrário, sempre dá além do que esperamos. E Nossa Senhora, segundo diz um adágio, retribui com um boi a quem Lhe dá um ovo. Não há que temer entregar-se a Deus! Pois, segundo Ele mesmo disse, “o meu jugo é suave, e meu peso é leve”. Esse milagroso fato nos ensina a cada vez mais amar e confiar em Maria Santíssima, nossa Mãe e Senhora! 

quinta-feira, 3 de abril de 2014

Curso de Culinária

Dando prosseguimento ao Projeto Futuro e Vida, neste último final de semana, teve início o Curso de Culinária com as alunas do Colégio João Loyola e Pedro Macedo. Elas aprenderam a fazer docinhos de leite em pó e puderam colocar sua criatividade em ação.

Docinhos de Leite em Pó


Ingredientes

ä  Leite em pó (500gr)
ä  Açúcar refinado (100 gr)
ä  Leite de Coco (até dar o ponto)
ä  Corantes cores variadas

Modo de fazer:
Colocar o leite em pó e o açúcar refinado numa bacia, acrescentar aos poucos o leite de coco até dar o ponto para enrolar. Colocar o corante até obter a cor desejada.

Enrolar os docinhos a gosto, podem ser feitos com formato de maçãs, peras...



quarta-feira, 26 de março de 2014

Feijoada - Convívio

No último domingo, dia 23, realizou-se a tão esperada feijoada-convívio no Centro Juvenil dos Arautos do Evangelho. A Santa Missa celebrada pelo Revmo. Padre Ryan Murphy,EP deu início à programação do dia. Em seguida, foi projetado um vídeo com as últimas atividades realizadas pelos arautos em Curitiba e depois foi servida a saborosa feijoada. No final desta, as participantes do Projeto Futuro e Vida e as alunas da Escola Arautos do Evangelho fizeram uma apresentação musical.

Aqui deixamos as fotos para que o internauta possa relembrar, se esteve presente, ou ver pela primeira vez.

segunda-feira, 24 de março de 2014

Anunciação do Senhor

Monsenhor João Clá Dias, EP
Se nos fosse dado contemplar a imensidade dos possíveis de Deus, ou seja, o incontável número de seres que Ele poderia ter criado sua onipotência, veríamos criaturas semelhantes às deste mundo, mas sem os seus característicos defeitos. Por exemplo, ouriços constituídos sem meios de causar mal aos homens; pernilongos lindíssimos dotados de uma picada agradável e benfazeja; urubus de figura tão elegante quanto os seus voos, e assim por diante.
Por que não pôs Deus no universo criaturas assim, sem qualquer defeito, as quais poderiam ter sido criadas e não o foram?
Pergunta esta de difícil resposta. O certo, porém, é que no universo no qual vivemos três criaturas são insuperáveis: a humanidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, unida hipostaticamente à divindade; a visão beatífica e Nossa Senhora.1 Todos os outros seres, considerados individualmente, poderiam ser mais perfeitos.
Ora, este mundo composto por criaturas com deficiências é, entretanto, ótimo no seu conjunto, como ensina São Tomás de Aquino: "O universo não pode ser melhor do que é, se o supomos como constituído pelas coisas atuais, em razão da ordem muito apropriada atribuída às coisas por Deus e em que consiste o bem do universo. Se apenas uma dessas coisas se tornasse melhor, a proporção da ordem estaria destruída, como a melodia de uma cítara ficaria destruída se uma corda se tornasse mais tensa do que deve".2
O universo criado por Deus tinha de ser o que mais O glorificasse, porque Ele não poderia ter escolhido criá-lo de forma nem um pouco inferior ao mais adequado. E tudo quanto nele existe de defectivo serve para o homem ter presente a sua debilidade, fraqueza e dependência contínua de Deus. Lembra-lhe, enfim, sua contingência. É deste mundo, com deficiências, que nós fazemos parte.
As considerações acima nos preparam para analisar o papel de Nossa Senhora na Criação, que é especialmente recordado na liturgia escolhida pela Igreja para a Solenidade da Anunciação do Senhor.
 O "fiat" de Maria Santíssima
Sobre a conhecidíssima e tão comentada passagem evangélica da Anunciação, pareceria não haver nada de novo a dizer. Entretanto, como um vinho excelente apresenta aspectos diferentes em cada safra, assim também acontece com o magno acontecimento da Encarnação do Verbo, no qual sempre descobriremos novas e magníficas maravilhas.
 As aparências não estão à altura do acontecimento
 "Naquele tempo, 26 o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia, chamada Nazaré, 27 a uma Virgem, prometida em casamento a um homem chamado José. Ele era descendente de Davi e o nome da Virgem era Maria".
 Antes de entrar na análise da narração de São Lucas, é mister voltarmos nossa atenção para o local onde Se encontrava Maria Santíssima ao ser visitada pelo Arcanjo São Gabriel. Não se tratava de um magnífico palácio, como tantos artistas imaginaram, mas de uma casa muito modesta, com paredes de tijolos aparentes. Estava situada em Nazaré, uma cidade então insignificante, na qual a Sagrada Família viverá na pobreza, humildade e apagamento.
 Não há neste episódio outros elementos cujas aparências estejam à altura do acontecimento que ali se daria, a não ser a presença da Virgem Maria, e também a de São José. Pois o elevadíssimo grau de santidade de ambos certamente transluzia em seus gestos, fisionomias e em todo o seu modo de ser.
 No momento da Anunciação, Nossa Senhora rezava
28a "O anjo entrou onde Ela estava...".
 O que fazia Maria Santíssima quando o anjo chegou junto a Ela? Sem dúvida, rezava, talvez considerando a desastrosa situação na qual se encontrava a humanidade. O povo judeu havia se desviado da prática da verdadeira religião e os pagãos, a começar pelos romanos, viviam numa tremenda decadência moral. Chegara-se ao que São Paulo chama "plenitude dos tempos" (Ef 1, 10).
 É assim, com Maria Santíssima orando ao Pai recolhida no seu aposento, que São Bernardo descreve a cena da Anunciação, pondo em realce a importância da oração para Deus manifestar-Se. Pois uma coisa é evidente: as preces d'Ela comoveram os Céus: "A saudação do anjo, feita com tanta reverência, indica quanto as orações de Maria haviam agradado ao Altíssimo"3 - afirma o Doutor Melífluo.
Numa de suas meditações sobre a vida de Cristo, São Boaventura nos apresenta a jovem Maria levantando-Se à meia noite no Templo para fazer sete súplicas diante do Altar e rezando desta forma: "Eu Lhe pedia a graça de presenciar o tempo no qual haveria de nascer aquela Virgem Santíssima que daria à luz o Filho de Deus, de conservar-me os olhos para poder vê-La, a língua para louvá-La, as mãos para servi-La, os pés para ir aonde Ela mandar e os joelhos para adorar o Filho de Deus em seu regaço".4
Sua humildade A impedia de concluir quem haveria de ser essa Dama à qual desejava ardentemente servir, mas, possuindo ciência infusa e recebendo graças sobre graças, foi tecendo considerações até conceber em seu espírito, com total nitidez, a figura moral do Messias prometido. Maria "concebeu Cristo em sua mente antes de concebê-Lo em seu ventre", afirma Santo Agostinho.5
Ao ver iluminar-se o aposento por uma luz sobrenatural e aparecer diante d'Ela o Arcanjo São Gabriel, Maria não deu o menor sinal de espanto. Segundo vários autores, entre eles São Pedro Crisólogo e São Boaventura, Ela estava "habituada às aparições angélicas, as quais não podiam deixar de ser frequentes para Aquela que Deus havia cumulado de tantas graças, que reservava para tão altos destinos, e que os anjos reverenciavam como sua Rainha e a própria Mãe de Deus".6 Podemos, inclusive, conjecturar que o próprio São Gabriel não Lhe fosse desconhecido.
A graça crescia n'Ela a cada instante
28b"... e disse: ‘Alegra-Te, cheia de graça, o Senhor está contigo!'".
A expressão usada pelo Anjo para saudá-La tem um sentido muito profundo no qual vale a pena nos determos.
Nosso Senhor Jesus Cristo, Salvador da humanidade, é a única criatura que possui a plenitude absoluta de graça. Ele a teve desde o início, sem qualquer possibilidade de aumento. E quando o Evangelho afirma que Jesus "ia crescendo em sabedoria, tamanho e graça diante de Deus e dos homens" (Lc 2, 52), refere-se às manifestações exteriores de sua santidade. "Mas interiormente o tesouro de dons celestes,que O tornavam agradável a Deus, era tão perfeito que não podia crescer de maneira alguma".7
Não acontecia o mesmo com Nossa Senhora. Ao longo de toda a sua vida, foi incessante seu progresso espiritual, ora devido aos méritos sobrenaturais obtidos pela prática de incontáveis boas obras, ora como fruto da sua oração humilde, confiante e perseverante, ora, no fim da sua existência, por efeito do Sacramento da Eucaristia. E isto sem falar dos incrementos de graça, de incalculáveis proporções, experimentados por sua alma no momento da Encarnação do Verbo, aos pés da Cruz e por ocasião de Pentecostes.8
Não houve, portanto, um instante no qual Ela não tivesse mais graça do que no anterior, como bem exprime Campana: "Em todos os momentos de sua vida, Maria foi penetrada por inteiro pelos raios divinos da graça; em cada minuto de sua existência, sua vontade mostrou-se dócil em render a Deus homenagem e glória; todas as pulsações de seu Coração foram sempre para Deus. [...] Essa ascensão de Maria rumo ao ideal de santidade era contínua, uniforme, sem solavancos, sem interrupção".9
Assim, quando o anjo A proclama "cheia de graça", indica estar sua alma participando da vida divina no maior grau possível naquele instante; mas um minuto depois essa plenitude já seria maior. E conclui o mesmo Campana: "Maria progredia em graça porque n'Ela se desdobravam sem cessar novas capacidades de graça, as quais eram logo preenchidas. Precisamente nisto consiste a diferença característica entre a plenitude de santidade de Maria e a de Jesus Cristo".10
 Plenitude de superabundância
Com base no Doutor Angélico, Garrigou-Lagrange distingue três plenitudes de graça: absoluta, exclusiva de Cristo; de superabundância, privilégio especial de Maria; e de suficiência, comum a todos os santos.11 E explica o insigne teólogo dominicano: "Essas três plenitudes subordinadas foram justamente comparadas à de uma fonte inesgotável, à do rio que dela procede e à dos canais alimentados por esse rio para irrigar e fertilizar as regiões por ele atravessadas, ou seja, as diversas partes da Igreja universal no espaço e no tempo".12
Assim, desde o momento de sua criação, Maria Santíssima participou da vida divina mais do que todos os Anjos e todos os bem-aventurados juntos. A tal ponto, que se Ela lhes distribuísse todas as graças das quais cada um deles tivesse necessidade, nada Lhe faltaria, pois, "sob a forma de méritos, de orações e de sacrifícios, esse rio de graça remonta a Deus, oceano da paz".13 A plenitude da graça de Maria, afirma São Lourenço de Bríndisi, "só é compreensível para Deus, pois só Ele abarca o abismo imenso e o quase infinito pélago dessa graça".14
Causa da perturbação de Maria
29 "Maria ficou perturbada com essas palavras e começou a pensar qual seria o significado da saudação".
A reação de Nossa Senhora mostra a profundidade do seu espírito. Dotada de ciência infusa, Ela entendeu perfeitamente o alcance da altíssima afirmação do anjo, considerando não apenas o significado imediato daquelas palavras, mas também suas consequências e correlações com o panorama da História.
Contudo, sendo cheia de graça, um dos seus predicados era a humildade mais excelsa. Em nada preocupada consigo mesma, todas as suas cogitações voltavam-se para Deus e a salvação da humanidade: Quando virá o Messias? Quando se dará a redenção?
A presença de São Gabriel não Lhe causou qualquer perturbação. Sua saudação, porém, deixou-A com um ponto de interrogação, pois não podia imaginar que aquelas palavras pudessem ser aplicadas a Ela. Conforme esclarece São Tomás: "A Bem-aventurada Virgem tinha uma fé expressa na Encarnação futura: mas, por ser humilde, não tinha tão alta ideia de Si mesma. E por isso era preciso que fosse informada a respeito da Encarnação".15
Medo de macular uma humildade ilibada
30 "O anjo, então, disse-Lhe: ‘Não tenhas medo, Maria, porque encontraste graça diante de Deus'".
Embora sem mancha de pecado original, Nossa Senhora foi criada em estado de prova e percebia com toda clareza a necessidade da vigilância. Temia aplicar a Si as palavras do Anjo e, cedendo em algo ao orgulho, acabar por ofender a Deus.
"Não tenhas medo, Maria" significava: "Não vos preocupeis, porque vossa humildade em nada será atingida". Com essas palavras, São Gabriel A exorta a ter confiança de que jamais sairá do reto caminho. Não em razão dos seus méritos. Ele não diz: "Não tenhas medo porque és forte", mas sim "porque encontraste graça diante de Deus".
E por que encontrou Ela graça diante de Deus?
A resposta, no-la dá São Bernardo: "Se Maria não fosse humilde, não desceria sobre Ela o Espírito Santo; e, se Este não descesse, Ela não conceberia pelo poder d'Ele. Pois como poderia conceber d'Ele sem Ele? É claro, portanto, que, para Ela conceber d'Ele, ‘o Senhor olhou para a humildade de sua serva' (Lc 1, 48) muito mais do que para a sua virgindade; e, embora tenha por sua virgindade agradado a Deus, foi pela humildade que concebeu".16
E nós também procedemos assim? Tomamos cuidado com a vaidade, como o fez Nossa Senhora nessa circunstância? Somos cientes de que um pensamento de orgulho consentido pode ser o ponto de partida para uma séria decadência na vida espiritual? Ou aceitamos com delícias qualquer elogio, real ou imaginário, que nos seja feito? O ato de virtude que Lúcifer e os anjos maus não praticaram no Céu, nem Adão e Eva no Paraíso Terrestre, Maria Santíssima o fez da forma mais perfeita possível. Que exemplo sublime Ela nos dá, a nós tantas vezes preocupados em obter honrarias devidas ou indevidas!
"Será chamado Filho do Altíssimo"
31"Eis que conceberás e darás à luz um filho, a quem porás o nome de Jesus. 32 Ele será grande, será chamado Filho do Altíssimo, e o Senhor Deus Lhe dará o trono de seu pai Davi. 33 Ele reinará para sempre sobre os descendentes de Jacó, e o seu reino não terá fim".
Nestes três versículos, o Anjo indica as extraordinárias características d'Aquele que Nossa Senhora haveria de conceber. Elas estavam em perfeita harmonia com a Sagrada Escritura, a qual Maria Santíssima conhecia como ninguém, e com a rica imagem do Messias formada por Ela em seu espírito, ao longo dos anos.
Imaginemos qual seria a reação de uma jovem recém-casada daquele tempo, ao receber de um anjo a notícia de que o seu filho haveria de ser grande tanto na ordem sobrenatural: "será chamado Filho do Altíssimo", quanto na natural: "o Senhor Deus Lhe dará o trono de seu pai Davi". Impossível excogitar algo mais elevado!
Maria, entretanto, reage diante da comunicação do Anjo dando novas mostras de humildade heroica. São Gabriel lhe anuncia que será a Mãe do mais importante dos filhos de Israel: do próprio Messias! E Ela o ouve tranquila e serena, porque as suas preocupações estavam bem longe da glória pessoal.
Perplexidade diante do anúncio
34"Maria perguntou ao anjo: ‘Como acontecerá isso, se Eu não conheço homem algum?'".
Aqui resplandece a Fé de todo incomum de Nossa Senhora, ante o anúncio feito pelo Anjo. Ao ouvi-lo dizer "conceberás e darás à luz um filho", reconhece tratar-se de fato de uma mensagem divina, e não põe obstáculo algum à sua realização. Porém, entre as graças dasquais Ela estava plena, reluzia um insuperável amor à virtude da castidade. Desposada com São José, combinou com ele manterem-se virgens por toda a vida.17 E é nesse sentido que se deve entender a expressão "não conheço homem algum". Podemos supor ter havido longas conversas entre Ela e São José a esse respeito, chegando à conclusão de ser claramente inspirado por Deus o voto de castidade feito por ambos. Mesmo com essa convicção bem arraigada na alma, Ela não duvidara das palavras de São Gabriel. Apenas apresenta-lhe sua perplexidade, visando conhecer mais a fundo como haveria de concretizar-se o desígnio divino.
Origem inteiramente sobrenatural do Verbo Encarnado
35 "O anjo respondeu: ‘O Espírito virá sobre Ti, e o poder do Altíssimo Te cobrirá com sua sombra. Por isso, o menino que vai nascer será chamado Santo, Filho de Deus. 36 Também Isabel, tua parenta, concebeu um filho na velhice. Este já é o sexto mês daquela que era considerada estéril, 37 porque para Deus nada é impossível'".
Quem senão Deus, seu Criador, conhecia o amor extraordinário da Virgem Santíssima à virtude da pureza? Por isso Ele, que é a Delicadeza em essência, teve o cuidado de mandar o celeste mensageiro resolver com extraordinária elevação e reverência sua santa perplexidade.
Conhecendo por instrução divina o problema que a maternidade divina levantava n'Ela, o anjo Lhe mostra que, assim como havia concedido à sua prima Isabel conceber um filho na velhice, a Onipotência divina poderia fazê-La conceber sem concurso de varão. E Ela, resplandecente de sabedoria e inteligência, entende em toda a sua profundidade as explicações do Anjo e logo as aceita.
A origem inteiramente sobrenatural do Verbo Encarnado foi revelada naquele momento. Que considerações não deve ter feito Maria ao conhecer o alcance desse acontecimento! Maria gerou no tempo a mesma Pessoa gerada pelo Pai na eternidade
38 "Maria, então, disse: ‘Eis aqui a serva do Senhor; faça-se em Mim segundo a tua palavra!'. E o anjo retirou-se".
A escravidão é o estado mais deplorável para uma criatura humana. Pelo Direito Romano, quem caía nessa situação era considerado coisa, res, perdendo todos os direitos próprios à pessoa humana. E quando a Virgem Maria disse: "Eis aqui a serva do Senhor", o fez com total consciência, colocando-Se por inteiro nas mãos de Deus, com absoluta confiança na sua liberalidade.
A partir desse ato de radical aceitação, todo ele feito de humildade e de fé, operou-se logo em seguida a concepção do Verbo Encarnado no seu seio virginal. Consideremos agora um aspecto particularmente comovedor desse fiat.
O Verbo de Deus foi gerado pelo Pai desde toda a eternidade. Conhecendo-Se a Si mesmo, Ele gerou um Filho eterno sem concurso de mãe alguma, de uma forma misteriosa que nossa inteligência não consegue compreender. Ora, logo após o consentimento da Virgem - "Eis aqui a serva do Senhor, faça-se em Mim segundo a tua palavra" -, o Espírito Santo iniciou n'Ela o processo de gestação do Verbo Encarnado. Ela tornou-Se Mãe sem concurso de pai natural.
Há, pois, entre o Padre Eterno e Maria Santíssima um paralelo de impressionante grandeza: ao considerar suas próprias magnificências, Este gera o Filho na eternidade; e Maria, pondo nas mãos de Deus sua própria contingência, gera o Filho de Deus no tempo!
Por ser a mais humilde de todas as criaturas, Nossa Senhora reproduz de algum modo a geração do Verbo na eternidade, ao dar origem na Terra à natureza humana de Nosso Senhor. O Pai criou todas as coisas no Verbo e pelo Verbo; pela Encarnação, Maria vai permitir ao Filho oferecer-Se em sacrifício ao Pai, para a recuperação de todas as coisas degradadas pelo pecado.18
O grandioso plano da Encarnação e da Redenção do gênero humano esteve na dependência desse fiat de Maria, porque se, por uma hipótese absurda, Ela não tivesse aceitado, não teria havido a Redenção.
A festa da harmonia no Universo
Como vimos no início deste artigo, Deus escolheu, entre infinitas possibilidades, criar o melhor dos universos, no qual tudo se ajusta em função de Nosso Senhor Jesus Cristo. Porque se Ele tivesse criado todos os seres no seu grau máximo de perfeição surgiria, paradoxalmente, uma tremenda deficiência, maior do que qualquer outra que possamos conceber: a do Verbo Encarnado não poder oferecer nada de Si para tornar mais elevada a Criação.
Devemos, portanto, nos alegrar com as nossas limitações e, em certo sentido, até com nossos pecados, pois eles permitem a Nosso Senhor exercer a misericórdia, derramando sobre nós, por meio de Maria Santíssima, aquilo que n'Ele existe em plenitude absoluta.
Porém, a fecundidade do Preciosíssimo Sangue de Jesus é tal que, ao reparar e perdoar, Ele não só nos restaura aquilo que perdemos, mas nos traz um complemento, dando-nos ainda mais do que anteriormente possuíamos. Dessa maneira, podemos alcançar, pela graça divina, aquilo que os seres mais perfeitos, se fossem criados, teriam por natureza.

Ora, foi a Virgem Maria, com sua disponibilidade e obediência, quem introduziu no cerne da Obra divina a Criatura cume e modelo arquetípico de tudo quanto existe, da Qual tudo deflui. Por isso, a Solenidade da Anunciação do Senhor celebra a restauração da harmonia no universo. É a comemoração do dia em que a Criação passou a transluzir com um brilho todo divino, pelos méritos de Maria Santíssima. 
1“A humanidade de Cristo, pelo fato de estar unida a Deus; a bem-aventurança criada, por ser o deleitar-se em Deus; e a Bem-aventurada Virgem, por ser a Mãe de Deus, têm até certo ponto infinita dignidade, provinda do bem infinito que é Deus. Sob este aspecto, nada pode ser feito melhor do que eles, como nada pode ser melhor do que Deus” (SÃO TOMÁS DE AQUINO. Suma Teológica, I, q.25, a.6, ad.4).
2Idem, I, q.25, a.6, ad.3.
3SÃO BERNARDO. Obras Completas. Homilías sobre la Virgen Madre 3,1. Madrid: BAC, 1953, t.I, p.207.
4SÃO BOAVENTURA. Meditaciones de la vida de Cristo. Buenos Aires: Santa Catalina, 1945, p.7.
5SANTO AGOSTINHO. Sermo 215, 4. ML 38, 1074.
6JOURDAIN, Zéphyr-Clément. Somme des grandeurs de Marie. 2.ed. Paris: Hyppolite Walzer, 1900, t.II, p.268.
7CAMPANA, Emile. Marie dans le Dogme Catholique – Les Prérogatives de Marie. Montréjeau: SoubironCardeilhac, s.d., t.II, p.281-282
8 Cf. ROYO MARÍN, OP, Antonio. La Virgen María. Madrid: BAC, 1968, p.252-268.
CAMPANA, op. cit., p.278.
10 Idem, p.281
11 Cf. GARRIGOU-LAGRANGE, OP, Réginald. La Mère du Sauveur et notre vie intérieure. Paris: Les Éditions du Cerf, 1954, p.34-36.
12 Idem, p.35.
13Idem, ibidem.
14 SÃO LOURENÇO DE BRINDISI. Marial – María de Nazaret, “Virgen de la Plenitud”. Madrid: BAC, 2004, p.206.
15 SÃO TOMÁS DE AQUINO. Op. cit., III, q.30, a.1, ad 2.
16 SÃO BERNARDO. Op. cit., Homilías sobre la Virgen Madre 1,5, p.189.
17 Cf. SÃO TOMÁS DE AQUINO. Op. cit., III, q.28, a.4.
18 Observa a este propósito Alastruey: “A Anunciação demonstra a participação na Encarnação e, portanto, na restauração do mundo decaído, obtida pela Santíssima Virgem, de cujo consentimento dignou-Se depender o próprio Deus para encarnar-Se em seu seio” (ALASTRUEY, Gregorio. Tratado de La Virgen Santísima. Madrid: BAC, 1945, p.71).

sexta-feira, 21 de março de 2014

Bécasssine

No último sábado, as participantes do Projeto Futuro e Vida tiveram a oportunidade de conhecer uma personagem de história em quadrinhos. Quem aqui já leu histórias em quadrinhos? Certamente todos. Mas tenho a certeza de que esta foram poucos que leram: Bécassine.
Ela é uma simpática camponesa que surgiu em 2 de fevereiro de 1905 de modo inteiramente fortuito, no primeiro número de um novo semanário para meninas, “La Semaine de Suzette”, pelo desenhista Joseph-Porphyre Pinchon (1871-1953).
Annaik Labournez, destinada à celebridade com o nome de Bécassine, teve por primeira morada a granja que seus pais cultivavam em Clocher-les-Bécasses, não muito longe de Quimper. Seu nascimento não foi assinalado, como o dos heróis da antiguidade, por tremores de terra e chuvas de fogo. Observou-se somente nesta época uma grande revoada de pássaros selvagens: gansos, patos e galinholas (bécasses). Annaik Labournez era um bebê forte, rosado e roliço. Ela tinha olhos e uma boca minúscula, e seu nariz era tão pequeno que mal se podia ver. E isso desolava seus pais que todos os dias mediam o pobre narizinho. - “Ele não cresce... que infelicidade! Vamos ser a chacota de toda a região...” De fato, em Clocher-les-bécasses acreditava-se que a inteligência estava em proporção ao tamanho do nariz.
Essa estranha crença ligava-se, sem dúvida, ao que se observava, no pequeno burgo, durante a temporada de verão, ou seja, a presença de um grande sábio, membro de numerosas academias e que era dotado de um formidável apêndice nasal.
Esse narizinho curto aborrecia ainda mais ao casal Labournez por causa de uma prima da mesma idade de Annaik — Marie Quillouch — que nada deixava de desejar do ponto de vista do nariz.

Quando foi ao batizado de Annaik, seu tio Corentin tomou uma das narcejas (bécassine) que trouxera, escondeu o corpo da ave em sua mão enorme e colocou o bico em frente de sua afilhada. “Uma verdadeira bécassine, disse rindo Quikllouch. Eh! tio Corentin, eis o apelido que o senhor procurava”. “Sim, sim, gritou toda a assistência. Bécassine, Bécassine!” Sim, declarou Corentin, isso lhe cai como uma luva”. E foi assim que, apesar dos protestos indignados de sua mãe, Annaik Labournez tornou-se Bécassine.
Abaixo, algumas fotos da encenação teatral realizada no centro juvenil.





quinta-feira, 20 de março de 2014

São José de óculos?

Foi apresentado para as alunas do Projeto Futuro e Vida a gloriosa história de São José bem como vários milagres que ele realizou. Um desses milagres aconteceu em Portugal, num convento em que as religiosas estavam passando por várias dificuldades devido às várias dívidas que elas possuíam. Ao estar próxima a solenidade de São José, a superiora decidiu colocar todas as dívidas aos pés do santo deixando uma irmã encarregada de colocá-las em frente ao santo Patriarca. Esta obedeceu e para além de deixar lá as dívidas, deixou também uns óculos para que São José pudesse enxergar bem todos os números e não se esquecesse de nenhum. 
Uma nobre decidiu visitar o mosteiro (na história original foi um bispo), que ficou encantada com o mosteiro, mas ao visualizar São José com os óculos tomou um grande susto e perguntou o porquê dessa atitude. Foi lhe respondido que era para o santo enxergar melhor as dívidas do mosteiro. A nobre mandou que retirassem os óculos do santo e lhe dessem as dívidas pois ela mesma as pagaria. A freira retirou os óculos e agradeu baixinho ao seu santo protetor. E foi assim que discretamente São José operou um milagre para aquelas religiosas.